Assine aqui para receber
nosso Informe institucional

Notícias

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

17/11/2017 - APM quer revogação imediata de autorização para o funcionamento de 37 novas escolas de Medicina e pede suspensão da abertura de quaisquer outros cursos médicos

Segundo informações do Ministério da Educação, o Governo Federal deve proibir a abertura de novos cursos de Medicina pelos próximos cinco anos, por meio de uma moratória. O decreto elaborado pelo MEC ainda precisa ser assinado pelo presidente Michel Temer. A medida seria uma forma de atender às reivindicações das entidades médicas, como a Associação Paulista de Medicina, que relacionam a abertura indiscriminada de faculdades com a queda na qualidade da educação médica.

Entretanto, em entrevista à Folha de S. Paulo, o ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho, disse que a proposta não atingirá a criação dos cursos de Medicina já previstos em editais lançados ainda no período do Governo de Dilma Rousseff, que autorizou a abertura de novas faculdades. No ano passado, o MEC divulgou as 37 cidades escolhidas para novos cursos. A APM acredita que essa exceção é perigosa do ponto de vista da saúde pública e exige que a mesma seja revogada.

“Chegamos a uma situação catastrófica, com a abertura irresponsável de escolas de Medicina. O Brasil tem hoje 298 faculdades, sem paralelo no mundo. A maior parte dessas faculdades não tem condições suficientes para formar um médico adequadamente e as consequências são gravíssimas para a saúde da população”, reforça o presidente da APM, José Luiz Gomes do Amaral.

A abertura de escolas médicas foi potencializada nas últimas décadas. Hoje, São Paulo lidera o ranking com mais cidades contempladas entre os estados brasileiros. “Foi um dos efeitos do populismo que tomou conta do País nos últimos anos, para satisfazer os interesses de alguns empresários da área da Educação. E para vender a imagem que se estava oferecendo maior atenção à saúde do povo brasileiro, o ‘Mais Médicos’, que tem como uma de suas principais vertentes a abertura de faculdades de Medicina, possibilitou essa explosão de vagas”, afirma Amaral.

Atualmente, são quase 30 mil vagas para o primeiro ano de Medicina no Brasil. Em nota, o MEC disse que “levou em conta os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), que apontam que o Brasil já atingiu as metas de alunos/vagas estabelecidas, de cerca de 11.000 por ano".

“A medida do Governo é um caminho imprescindível para a educação médica no País. É necessário interromper essa desenfreada proliferação de cursos. Aliás, o processo deve ser seguido por uma análise rigorosa dos cursos existentes e dos métodos de avaliação dos médicos que se formam no Brasil, além da revogação das autorizações dadas recentemente”, pontua o presidente da APM.