ÚLTIMAS

16/02/2021 - Brasil registrou mais de 27 mil casos de hanseníase em 2019

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), foram registrados 202.185 novos casos de hanseníase no mundo. Desses, 27.864 ocorreram no Brasil. Os dados são de 2019 e foram recém publicados em Boletim Epidemiológico do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde.

A hanseníase, uma infecção transmissível e crônica, ainda é considerada um problema se saúde pública no País. Ela é causada pela bactéria Mycobacterium leprae, que afeta principalmente a pele, os olhos, o nariz e os nervos periféricos. A OMS classifica o Brasil como um país de alta carga para a doença, ocupando o segundo lugar no mundo, atrás apenas da Índia.

Segundo o boletim, dos casos acometidos no País em 2019, 1.545 (5,5%) ocorreram em menores de 15 anos. Entre os 23.843 casos com avaliação de grau de incapacidade física, 2.351 (9,9%) apresentaram deformidades visíveis.

Entre os anos de 2015 e 2019, foram diagnosticadas 137.385 infecções no Brasil. Desses casos, 75.987 (55,3%) atingiram o sexo masculino, com maior frequência em pessoas com faixa etária entre 50 e 59 anos, totalizando 26.156 casos.

Com recorte de raça/cor, a hanseníase se manifestou, principalmente, na população parda, com 58,7%, seguida da população branca, com 24,3%. No entanto, nas regiões Sul e Sudeste, a proporção de novos casos atingiu mais a população branca, com 69,9% e 42,1%, respectivamente, em comparação às demais regiões brasileiras, cujas maiores taxas acometeram a população parda.

Na variável escolaridade, o predomínio da doença foi maior em indivíduos com ensino fundamental incompleto, em um percentual de 42,2%, quando comparado aqueles com ensino médio completo ou superior incompleto, com 14,5%.

Em 2020, o Ministério da Saúde informa que a epidemia de Covid-19 influenciou nas observações de notificações e diagnósticos de hanseníase no País. Dados preliminares apontam 13.807 casos novos, sendo 672 (4,9%) em menores de 15 anos. Mato Grosso, Maranhão, Pará e Pernambuco registraram mais de mil casos da doença.

A fim de se reduzir os casos diagnosticados no Brasil, em 2019, o Ministério da Saúde elaborou a Estratégia Nacional para o Enfrentamento da Hanseníase, com metas de diminuição da doença até o fim de 2022.

São elas: redução para 30 do número do total de crianças com grau 2 de incapacidade física; redução para 8,83/1 milhão de habitantes a taxa de pessoas com grau 2 de incapacidade física; implantação, em todo os estados brasileiros, de canais para registros de práticas discriminatórias.