ÚLTIMAS NOTÍCIAS

13/02/2020 - Dengue: País registra mais de 50 mil casos em 2020

A nova atualização do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgada na última quarta-feira (12), aponta que os registros de dengue no País já ultrapassaram 57.000 casos prováveis. As informações são referentes às ocorrências de dengue, chikungunya e zika vírus, documentadas entre os dias 29 de dezembro de 2019 e 18 de janeiro de 2020.

O período, classificado como quarta Semana Epidemiológica, mostra que a região Centro-Oeste segue com o maior número de casos em todo o Brasil, apresentando 63,37 a cada 100 mil habitantes. Em seguida estão Sul (52,98 casos/100 mil habitantes), Sudeste (28,07 casos/100 mil habitantes), Norte (18,60 casos/100 mil habitantes) e Nordeste (5,33 casos/100 mil habitantes). Os estados do Acre, Mato Grosso do Sul e Paraná se destacam por apresentar incidência acima de 100 casos por 100 mil habitantes.

Até o momento, foram confirmados 39 casos de dengue grave e 331 de dengue com sinais de alarme. É importante ressaltar que 94 casos estão sendo investigados. Os óbitos por dengue são 9, sendo 8 por critério laboratorial (um no Acre, um em São Paulo, um no Paraná, dois no Distrito Federal e três no Mato Grosso do Sul) e um por critério clínico-epidemiológico, no estado do Paraná. Quarenta e uma mortes estão sendo investigadas.

Sobre a chikungunya, são 2.340 casos prováveis no período, com incidência de 1,11 caso por 100 mil habitantes. O Sudeste e o Nordeste são as regiões com as maiores taxas de incidência, sendo 1,62 caso/100 mil habitantes e 1,04 caso/100 mil habitantes, respectivamente. Os dados registrados no Espírito Santo apontam que o estado concentra 31% dos casos prováveis e que o Rio de Janeiro possui 20,8% deles, sendo também o único local que registrou óbito por critério laboratorial pela infecção.

Em relação aos dados de zika vírus, 85 casos prováveis foram notificados, apresentando taxa de incidência de 0,04 caso a cada 100 mil habitantes. Em todo o Brasil, a região Norte foi a que apresentou a maior incidência (0,08 caso/100 mil habitantes), seguida pelo Centro-Oeste (0,07 caso/100 mil habitantes), Nordeste (0,06 caso/100 mil habitantes), Sul (0,03 caso/100 mil habitantes) e Sudeste (0,02 caso/100 mil habitantes). Nenhum óbito por zika foi documentado até o momento.