ÚLTIMAS NOTÍCIAS

08/03/2019 - Dia Internacional da Mulher 2019: #ElasFazemADiferença

Banner Full 1900x430

Na semana do Dia Internacional Da Mulher, embarque conosco e conheça a trajetória de mulheres que protagonizaram grandes feitos nas áreas da Saúde e da Ciência. Com muita luta, elas conquistaram seu espaço e fizeram a diferença.

1. Clara Barton, professora, enfermeira e humanista, desempenhou papel fundamental durante a Guerra Civil dos EUA, atuando em hospitais operacionais nas linhas de frente do estado da Virgínia. Foi superintendente das enfermeiras do exército norte-americano e fundadora da Cruz Vermelha Americana em 1881, cargo que ocupou por 22 anos.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

2. Em uma época em que a Ciência era dominada pelos homens, Marie Curie descobriu o Polônio e o Rádio e foi a primeira mulher a receber dois prêmios Nobel, um de Física e um de Química, tornando-se a cientista mais conhecida no mundo. Marie foi uma verdadeira revolução no meio científico e sua maior contribuição foi a descoberta da radioatividade e de novos elementos químicos. Incrível, né?  

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

3. Médica, Mae C. Jemison foi voluntária em um campo de refugiados cambojanos na Tailândia e integrou a força de paz dos EUA em Serra Leoa e na Libéria. Desenvolveu manuais de autocuidado, diretrizes para o trabalho voluntário na área de Saúde de seu país e participou das pesquisas para a criação da vacina contra a hepatite B. Integrou ainda a tripulação da missão STS-47 da NASA, na qual sua principal função foi investigar células ósseas durante o voo.  

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

4. Criadora da seringa médica, Letitia Mumford Geer inventou o conceito para que a aplicação das substâncias pudesse ser realizada por meio de um pistão, utilizando apenas uma mão. O modelo de Geer é utilizado até hoje para todo tipo de injeção.

A imagem pode conter: 1 pessoa, criança e texto

5. Nettie Stevens, uma geneticista americana, foi responsável por uma das maiores descobertas da genética: descobriu que o sexo é determinado por uma configuração particular de cromossomos, refutando assim o argumento muito usado na época de que a culpa de não ter herdeiros homens era exclusivamente das mulheres.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

6. A brasileira Rita Lobato Velho Lopes foi a primeira mulher a se diplomar em Medicina no País. Apesar de toda resistência masculina na época e das barreiras que enfrentou, Rita se formou em quatro anos, em um curso que durava seis, tornando-se especialista em Ginecologia e Pediatria.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

E para você, quem é a mulher que faz a diferença? Conta pra gente nas redes sociais, usando a #ElasFazemADiferença

#DiaInternacionalDaMulher #APM