Assine aqui para receber
nosso Informe institucional

Notícias

ÚLTIMAS

05/09/2017 - Empreender é uma alternativa cada vez mais viável

Gestão financeira, administrativa, tributária, planejamento estratégico e, sobretudo, saber lidar com pessoas são os pontos fundamentais para o profissional que deseja ter o próprio negócio, segundo especialistas

O bom desempenho médico hoje não se resume apenas ao pleno domínio técnico científico. O recém-formado também precisa entender de gestão para lidar com as necessidades atuais do mercado de trabalho. Compreender o termo, aliás, é o primeiro passo para o médico jovem seguir o seu propósito e enfrentar a competitividade, de acordo com o otorrinolaringologista Bruno Almeida Antunes Rossini, dono da Clínica Otovita, que participou do último debate do 2º Encontro de Médicos Jovens da Associação Paulista de Medicina, realizado no dia 2 de setembro.

“É uma decisão individual, cada um tem uma visão de porque ser empreendedor. Na maior parte das vezes, são elencados a qualidade de vida, a tranquilidade financeira e o prestígio social. Porém, além da Medicina, temos de estudar noções de gestão, pois esse conhecimento pode nos ajudar a escolher e seguir o melhor caminho e descobrir o nosso diferencial competitivo.”

Para tanto, segundo o especialista, elaborar um plano estratégico de curto, médio e longo prazo é fundamental. “Cuidado com o imediatismo. Acertar a direção da carreira é muito mais importante do que ter pressa de chegar no objetivo”, alertou. Conhecimentos de gestão financeira, administrativa, tributária, de tempo e de pessoas foram outros pontos citados por Rossini, além do marketing médico, “que significa entender as diferentes expectativas de qualidade, sob o ponto de vista profissional, com boas técnicas e resolutividade, e sob o ponto de vista do paciente, com percepção de valor antes, durante e depois da consulta”.

Resiliência, persistência e inquietação definem empreendedorismo para o médico João Paulo Nogueira Ribeiro, sócio fundador da ConsultaClick e do Instituto Horas da Vida. “Os jovens que estão começando na carreira têm uma coisa brilhante e forte que é o amor pela Saúde. Atenção pelo paciente e vontade de cuidar são propósitos que nunca podemos perder de vista na nossa trajetória”, acrescentou. E fazer uma reflexão sempre que necessário: “No momento em que você escolheu a Medicina, qual foi o sentimento mais forte? O dinheiro é uma consequência, pois apenas quando você coloca a causa como razão principal para seguir, consegue ter persistência e continuar no caminho para o sucesso”.

“Empreender é mais do que uma palavra ou uma receita de bolo, é um universo infinito para aquilo que você poder fazer com a sua carreira. Permita-se pensar fora da caixinha”, complementou o consultor de negócios do Sebrae São Paulo, Marcio Bertolini, que também concorda que lidar com pessoas é essencial para administrar o próprio negócio. “Você já entendeu que não é só um médico, é um empresário. Pode ser o especialista mais gabaritado possível, mas se não souber lidar com pessoas, não há razão de ter uma clínica.”

No mesmo debate, o fundador e diretor executivo do Dr. Consulta, Thomaz Srougi, reiterou: “Vivemos em um contexto precário, de corrupção, individualismo, ineficiência, desrespeito e indisciplina, por isso lutamos contra o status quo, que gera grande sofrimento à população, desnecessariamente. Desta maneira, nossa missão é ajudar as pessoas a envelhecerem de forma saudável”.

“O ditado ‘Cavalo que voa não tem esporas’ sintetiza como são os líderes presentes neste painel sobre empreendedorismo médico, que obtêm sucesso mantendo sempre o foco e fazendo”, sintetizou Julio Leonardo Barbosa Pereira, neurocirurgião e integrante da Comissão do Médico Jovem da APM.

Pereira afirma que a realidade da Saúde brasileira, tanto no aspecto público como no privado, é desafiante, visto o cenário político e econômico do País. Para enfrentar a crise atual, segundo ele, o médico precisa estar preparado para liderar. “Quem estiver bem posicionado diante desses problemas ficará acima da média no mercado de trabalho. Medicina é uma área de empreendedorismo e empreendedorismo é isso”, concluiu.

Por: Keli Rocha
Fotos: Osmar Bustos