Assine aqui para receber
nosso Informe institucional

Notícias

O que diz a mídia

08/11/2018 - Perda óssea dentária atinge mais mulheres do que homens

G1

A perda óssea dentária atinge mais mulheres do que homens. Em especial, acima dos 45 anos. A menopausa é um fator de risco, assim como diabetes, tabagismo, mordida inadequada, hábito de ranger os dentes e outras influencias hormonais.

Algumas pessoas podem ter perda óssea por causa de um problema muito comum: a periodontite, doença que atinge a gengiva, os dentes e os ossos. Começa com uma inflamação na gengiva, progredindo pelo tártaro ou má escovação e pode acabar em perda óssea.

Segundo estudo da Universidade de Campinas, a perda óssea afeta 75% da população em diferentes graus – 14% de adultos de todas as idades têm a forma mais severa do problema, além de 30% dos idosos com infecção causada por bactérias subgengivais.

O tratamento depende do motivo da perda óssea e da altura da mandíbula que foi perdida. Se ela ocorreu pela remoção de um dente, pode ser feito um enxerto para dar altura à mandíbula e colocada uma prótese fixa, móvel ou implante. Quanto mais rápido colocar dentes novos, menor a perda óssea. Se ela ocorreu por uma periodontite, é preciso fazer uma limpeza, raspagem do dente para tirar o tártaro e depois avaliar o tipo de tratamento ou acompanhamento.